Miomas: Devo me preocupar?

//Miomas: Devo me preocupar?

A saúde feminina tem muitos mistérios. Um deles, é o mioma. Uma doença que atinge pelo menos 70% das mulheres em idade reprodutiva, por isso, exige a nossa atenção!

 

Seguindo a nossa série de matérias sobre o outubro rosa e a saúde da mulher, hoje falaremos sobre os temidos miomas. Também chamados de leiomioma, fibromioma ou fibroma, os miomas são tumores benignos que se formam no miométrio, uma camada do nosso útero rica em células musculares.

Os miomas são muito comuns na maioria das mulheres, podendo regredir após a menopausa, mas, suas causas reais ainda não são bem definidas. Por isso, chamo de mistério da saúde feminina! ( Mais um, não é mesmo?)

Contudo, apesar de não ter uma causa definida, sabe-se que o surgimento deles pode estar relacionado a alguma disfunção hormonal, afinal, nós mulheres somos movidas á hormônios e, quando por algum motivo eles entram em desequilíbrio, o nosso corpo sofre.

Por ser uma lesão benigna, o mioma não é um câncer, mas exige certos cuidados e muitas vezes surgem sintomas como:

  •   Dor abdominal ou aquele desconforto que parece que está com muitos gases e sensação de peso;
  •   Sangramento além do normal na menstruação;
  •   Dor e incômodo durante a relação sexual;
  •   Dependendo do grau e localização, pode levar á infertilidade.

O tratamento, vai variar de acordo com o tamanho dos miomas e quantidade, podendo ser a base de anticoncepcionais ou outros medicamentos. Por isso, em alguns casos precisam ser removidos cirurgicamente. Tudo isso precisa ser avaliado pelo seu ginecologista e devidamente prescrito! Não caia no conto das receitas milagrosas heim!

Os miomas também, podem ser classificados de acordo com a localização deles, agora em 4 tipos:

  • Submucoso: ele fica mais internamente no útero, em sua parede, onde o embrião irá se implantar. Ele tem mais ligação com a infertilidade e excesso de sangramento;
  • Pediculado: ele se conecta á parede do útero por uma espécie de pezinhos, ou pedículos;
  • Intramural: também ficam na parede do útero, mas que podem causar uma certa deformidade em sua anatomia quando crescem demais, gerando cólicas. Por causa disso, também pode aumentar as chances de infertilidade;
  • Subseroso: por ser o mais externo, forma uma espécie de calosidade fora do útero. Por sua localização, tem menos chances de causar infertilidade, mas, se forem muito grandes, podem atrapalhar a contração uterina, atrapalhar o funcionamento da bexiga ou intestino.

Para não me alongar muito, quero terminar essa matéria falando a todas vocês minhas amigas, que busquem fazer exames regulares anualmente. A maioria das doenças, sejam elas do aparelho reprodutor ou não, geralmente tem início silencioso, e vai crescendo e crescendo… Até dar sinas de que algo está errado.

È possível conviver bem tendo mioma. Mas é preciso acompanhar para saber se estão crescendo e sua localização.

 

Tem mais dúvidas ou até mesmo depoimentos sobre o tema? Deixe nos comentários ou me deixe um direct lá no Instagram: @prof.nadia_cst

 

Eu sou Enf. Prof. Nádia Teixeira, Consultora em Saúde, e temos um encontro marcado aqui, na coluna Café com Saúde as quintas-feiras a partir das 08h da manhã!

 

COMECE O SEU DIA COM MAIS SAÚDE E INFORMAÇÃO!

 

 

 

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.