Cratera compromete asfalto e interdita rua por quatro meses em Águas Claras

//Cratera compromete asfalto e interdita rua por quatro meses em Águas Claras

Segundo os moradores da rua, a interdição gera congestionamento na Rua 37 Sul — utilizada, agora, como retorno para a Avenida das Araucárias.

Um terreno abandonado na Rua 34 Sul de Águas Claras é alvo da erosão e de reclamações dos moradores de um residencial vizinho há pelo menos sete anos. Com o início das chuvas, parte do asfalto cedeu e a estrutura restante tem rachaduras profundas. Por falta de isolamento adequado, a cratera virou abrigo para pessoas em situação de rua, ratos e lama. A rua está interditada há cerca de quatro meses pela Defesa Civil e, por isso, o movimento no comércio próximo caiu 70%. Pedestres se arriscam e motoristas desavisados estacionam no local.

Segundo os moradores da rua, a interdição gera congestionamento na Rua 37 Sul — utilizada, agora, como retorno para a Avenida das Araucárias. A administração regional, a Defesa Civil e a Agência de Fiscalização (Agefis) dizem acompanhar o caso e já terem notificado o proprietário do lote várias vezes. Ele já recebeu multa de R$ 4,3 mil por impedir o acesso à rua mas, por enquanto, só providenciou o escoramento da terra após o primeiro desabamento em 20 de maio.

Ao JBr., o engenheiro responsável pela obra, Daniel Seabra, garante que o projeto “está em fase final de aprovação”. Segundo ele, o proprietário está se esforçando para construir uma contenção de concreto na área. “Deve demorar 90 dias para ficar pronta. Com isso, o asfalto será liberado”, prevê o engenheiro, e acrescenta que a obra (uma escola particular) deverá ser finalizada em um ano e três meses.

Jorrou esgoto

Enquanto a situação não avança, os moradores do Residencial Le Paysage estão “aterrorizados”, como define o síndico Ricardo Naves. O primeiro desabamento na Rua 34 Sul aconteceu em 20 de maio. “Rompeu um cano de esgoto que jorrava o tempo todo. Era um mal cheiro horrível”, lembra. “O jurídico do condomínio enviou ofícios aos órgãos competentes para encontrar uma solução imediata, que seria aterrar, mas isso traria custos altos”, sinaliza. “Estão todos com muito medo de desabar novamente”, comunica.

O condomínio tentou buscar apoio do Poder Público nos últimos meses. Em junho, o dono do terreno foi encontrado. Ele teria se comprometido, no dia 10 daquele mês, a dar mais celeridade e cuidado à obra. “Retomou a construção e a proposta é erguer uma escola particular”, narra o síndico.

Mesmo com a suposta boa vontade do dono do lote, a Agefis aplicou multa de R$ 4.318 pelo bloqueio do acesso à avenida. “No mês de junho, uma equipe foi enviada para vistoria ao local. Também foi exigida a construção de um passeio circundante nos arredores do lote. A obra permanece sob supervisão da Agefis e será, novamente, enviado auditor para conferir o andamento”, informou a agência, em nota. Segundo a Administração Regional de Águas Claras, a Companhia Urbanizadora (Novacap) fará o reparo no asfalto “assim que o terreno for restaurado”.

Pedestres se arriscam

Moradora do Residencial Le Paysage, a estudante Elizabeth Maniero, 27, reclama da cratera e da interdição da via. “É muito complicado para nós. Muita gente tira as barras de interdição e estaciona lá, correndo risco perto do asfalto rachado”, relata. “Esse buraco junta moradores de rua, ratos, lama. É horrível”, desabafa.

O síndico Ricardo Naves conta que o condomínio solicitou estruturas de concreto para isolar a área, mas obteve negativas da Defesa Civil. A reportagem flagrou pedestres passando pelo local, entre as rachaduras da rua. “Motociclistas também se arriscam”, relata Naves. “Quando há festa no condomínio, principalmente à noite, as pessoas não têm noção do tamanho do buraco e do risco que correm. Vão lá, tiram as barras de contenção e estacionam”, lamenta.

Prejuízo ao comércio

Em quatro lanchonetes e em uma distribuidora de bebidas localizadas no térreo do Le Paysage, o movimento caiu 70%. Os empresários garantem que a situação é unânime. “Os carros não conseguem passar pela rua. Muitos usavam a Rua 34 Sul como retorno e agora precisam ir até o balão mais próximo. “Perdemos clientes fiéis por falta de estacionamento próximo”, argumenta Rubem Vasconcellos, 38, dono da distribuidora de bebidas One Beer.

O caixa do estabelecimento, Thiago Silva, 21, reitera que o ponto era mais frequentado há quatro meses. “Muitos carros não sabem que a rua está interditada e que não faz diferença entrar na contramão e não entram”, ilustra. Outros funcionários confirmam que a placa de proibido dobrar à esquerda não tem sido respeitada e dizem que batidas “leves” são frequentes.

Procurado pelo JBr., o Departamento de Trânsito (Detran) afirmou que a interdição da Rua 34 Sul é de responsabilidade da Defesa Civil. O órgão não respondeu aos questionamentos feitos pela reportagem em relação a melhorias no tráfego de veículos na área.

Fonte: Jornal de Brasília

Juntos, podemos fazer uma cidade melhor! Vamos participar!!!
Para participar do nosso grupo de whatsapp DFÁguasClaras, envie seu número para [email protected] ( Somente assuntos de Águas Claras)
DFÁguasClaras – Nossa Cidade Passa por Aqui
No twitter siga: @DFAguasClaras
Instagram: DFÁguasClaras
Facebook: www.facebook.com/dfaguasclaras 
Youtube: www.youtube.com/dfaguasclaras
Ouça toda terça às 20hs (Web Rádio DFÁguasClaras) o programa Vivendo Águas Claras, um bate papo sempre muito produtivo sobre nossa cidade, sempre com um convidado especial e sorteios de brindes para nossos ouvintes.
Para ouvir basta acessar  www.dfaguasclaras.com.br

 

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.